Deixe um comentário

Chihayafuru – Karuta² e a verdadeira emoção do bafo.

Chihayafuru.600.1442034

As críticas a Chihayafuru são imensas, mas não tanto quanto sua popularidade. A maioria delas vem por culpa do “esporte” que é o foco do anime e não é conhecido mundialmente, muito menos tão emocionante quanto parece ser para aqueles que já o jogaram na vida real. Mas o que fez de Chihayafuru uma obra tão emocionante? Empolgante? O que fez uma propaganda de 24 minutos ganhar uma segunda temporada?

Os primeiros episódios da primeira temporada são os mais cativantes, onde os protagonistas são crianças que acabam de descobrir a sua paixão e se tornam devotas na mesma, por mais que o reconhecimento que eles tenham por tanto esforço seja tão baixo, afinal não é de beisebol, futebol ou boxe de que estamos falando. Estamos falando de karuta, um jogo que consiste em dar tapinhas nos poemas antes do oponente.

Chihayafuru.600.1442005

Antigamente, quando poema no Japão era a moda do momento, na época dos leques, gueixas, samurais, quimonos e romances proibidos, é claro que o esporte que usava como base uma coleção de 100 poemas era extremamente popular, mas assim como muitos vestígios da cultura japonesa foram se perdendo com a modernização, o karuta também foi uma vítima.

E vermos crianças na era do computador e do MMORPG se apaixonando por um esporte tão “simples” é no mínimo surpreendente. E eles vão além. Já que o esporte é pequeno, a mente tem a liberdade de sonhar com o alije mais alto do mesmo, e então a coisa começa a ficar séria quando os protagonistas, além de quererem ser o melhor grupo do Japão, querem ser os melhores individualmente, querem ser os reis e as rainhas (literalmente).

sample-127389910fdd5d582f386f3e689bfeae

Mas infelizmente (ou não), as crianças crescem e o anime ganha a cada episódio um ar de seriedade que seria muito difícil de perceber se Chihayafuru não pegasse em cheio no ponto master da emoção de um esporte: a dedicação.  Quando se dá o máximo em algo e se perde, a emoção da perda também vai ao máximo. Bem como quando se ganha.

O lado impressionante de Chihayafuru trata especialmente de duas coisas: esforço e motivação como aquilo que nós faz felizes, como aquilo que nos mantêm vivos e alheios ao mundo atual. Tendo a exemplo a protagonista Chihaya, que não precisa basicamente de mais nada além do karuta para ser felz. E por que apenas isso faz Chihayafuru uma franquia de sucesso? Porque todos nós temos ou precisamos de uma motivação como essa também, algo como nosso lugar no mundo, e lutar por ele independente do que sempre será… Interessante.

0050c4aff63f42b87dc955a2a1ed7cf8

Depois do ano passado eu descobri que uma review de Chihayafuru não estaria completa se não falássemos de uma das maiores surpresas de 2012: UtaKoi, que era para ser um anime de Cult, uma sequência episódica com lindas e românticas histórias reais do Japão antigo. E o que ele tem a ver com Chihayfuru? Os poemas, é claro. Os japoneses estudam esses poemas na escola como nós estudamos a história do Brasil, então Chihaya conta com que seus telespectadores entendam esse “mínimo” dos mesmos. Por isso, recomendo que superem os preconceitos contra o traço e vejam Utakoi antes de Chihayafuru, e assim garantam a si mesmos um entretenimento mais completo e satisfatório sobre as duas adaptações.

Faça um comentário, é de graça

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: