5 Comentários

Corrente de Reviews – The Tatami Galaxy

Bem-vindos, hoje seguindo a Corrente de Reviews do Didcart, temos aqui no blog (seguindo a indicação do Judeu Ateu) The Tatami Galaxy, ou Yojouhan Shinwa Taikei, como acharem melhor.

Tatami Galaxy

Tatami Galaxy (ou Yojouhan Shinwa Taikei) é um anime lançado em 2010 que foi ao ar durante o bloco noitaminA entre 22/04 e 01/07. Com direção de Masaaki Yuasa e produzido pela MAD HOUSE, o anime certamente é um dos melhores, mais divertidos e bem escritos que já assisti.

Tatami Galaxy conta a história de Watashi (um jeito de falar eu em japonês; o garoto não tem nome) que se vê em um dilema: ele quer passar o resto de seus anos como estudante se divertindo e para isso deve encontrar um clube (ou círculo, assim chamado no próprio anime) onde ele possa realizar seu desejo pelos próximos dois anos.

No primeiro episódio, o garoto escolhe entrar para o clube de tênis assim que vê uma oportunidade de passar o resto de sua vida universitária só na zoeira. O problema é que naquele clube ele conhece Ozu, um garoto com cara de demônio que tem como objetivo acabar com a vida amorosa de todos. Ozu só faz besteiras e causa alvoroços e, de algum jeito, sempre acaba atraindo Watashi para suas encrencas, o que faz com que todos o odeiem, junto de Ozu. No final do episódio ele é jogado de uma ponte e isso o faz arrepender-se de ter escolhido aquele círculo e pensa no que aconteceria se tivesse entrado em outro no início de sua vida universitária.

Então, de repente um relógio aparece e mostra-se indo no sentido contrário ao comum e as cenas do episódio vão reaparecendo rapidamente…

Pimba! Temos aí um jeito de começar a falar do anime. Após isso, Tatami Galaxy conta, em cada episódio, a vida de Watashi em outras linhas de mundo, onde ele escolhia círculos diferentes para participar. Infelizmente para Watashi, apesar de estar em outra linha de mundo e ter seguido caminhos diferentes, no fim os fatos ocorridos antes voltavam a acontecer e Watashi sempre acabava no mesmo buraco: alguma coisa ruim acontecia, ele se arrependia da decisão feita e ao final do episódio ele saltava no tempo de novo.

E é nesse looping sem fim que a narrativa segue. Uma das coisas mais legais de todo anime é a extravagância dos personagens e sua reciclagem. Durante a série inteira, sempre são os mesmos personagens secundários que aparecem. O que os diferem de um episódio para outro é a importância de cada um naquela linha de tempo. E mesmo com a ideia fantástica de reciclar os personagens, eles nunca perdem sua personalidade. Eles poderiam sair de presidentes de um círculo a meros “Zé ninguéns”, mas eles nunca perderiam sua extravagância.

Outro fator que é uma das coisas mais memoráveis do anime é o fato de que nosso protagonista é quem narra a história inteira, sendo essa um monólogo dele. Até aí, tudo em riba. O único, e maior, problema é que ele fala muito, mas muito rápido mesmo. Então fica difícil acompanhar todas as suas falas e o tempo todo. Leva um tempo até se acostumar com a quantidade e velocidade de informação jogada na tela por ele em tão pouco tempo. Muita gente chega a droppar a série antes do fim do primeiro episódio de tão complicado que é o negócio.

No que se refere à questão de animação, Tatami Galaxy novamente foge dos padrões. O anime é fundamentado numa animação simples e com character designes mais simples ainda. E eu penso que isso tudo nos faz tirar o foco da animação em si e prestar atenção no enredo. Não manjo desses fatores técnicos, mas é uma coisa obviamente fora do usual, porém muito bonita. Acho que é um dos maiores charmes do anime inteiro.

Tatami Galaxy consegue abordar, em todos esses episódios, várias possíveis passagens dos sentimentos humanos. Ele explora de diferentes formas os caminhos que um ser humano pode tomar para alcançar um objetivo e nisso expõe também as diversas consequências possíveis. Tudo isso num background completamente simples e bonito, transformando um tema não muito leve em algo completamente relaxante e gostoso de assistir. É uma coisa assim inacreditável.

Em meio a todo um enredo que expunha as várias facetas que um ser humano pode vir a mostrar em diferentes realidades e diferentes acontecimentos, eu concordo com o que o Judeu Ateu disse em sua própria resenha sobre Tatami Galaxy. Os dois últimos episódios são o clímax da história.

PEQUENOS SPOILERS SERÃO SOLTADOS NESSES PRÓXIMOS PARÁGRAFOS A RESPEITO DOS DOIS ÚLTIMOS EPISÓDIOS DA SÉRIE. CASO TENHA ALGO CONTRA, POR FAVOR, NÃO LEIA.

Dessa vez, Watashi acabou por escolher não entrar em nenhum clube e passar os dois anos seguintes de sua vida universitária no seu próprio quarto de tamanho de quatro tatamis e meio. Uma hora, após acordar, ele vai dar uma olhada na porta e percebe que ela não dava para o corredor do prédio em que vivia e sim para outro quarto idêntico ao dele. Watashi não conseguia mais voltar ao “mundo normal”, afinal de contas, todas as saídas dos quartos davam a mais quartos idênticos ao dele.

Chega uma hora em que nosso protagonista enlouquece, visto que ele passou mais de um mês naquele quarto sem saída e sem pistas de como sair. Nisso, ele resolve atravessar todos os quartos a procura de um possível jeito de sair daquele lugar. Em um momento, ao ter um ataque de raiva, ele lança uma televisão na parede até quebrá-la. Quando ela se quebra, ele adentra aquele quarto e, ao fuçar um pouco por lá, nota que tem coisas dele por lá, mas que não se lembrava de ter feito.

Após novos testes, Watashi descobre que cada um dos quartos era outra linha de mundo, uma dimensão paralela àquela em que ele vivia. Ou seja, ele entrava no quarto de egos dele de outras dimensões, egos dele que haviam tomado caminhos diferentes dos dele. E, a partir disso, ele começa a analisar seu eu de outras linhas de mundo e estudá-los com mais profundidade. Chega uma hora que Watashi acaba por encontrar a linha de mundo “original” dele, ou seja, a dimensão que aquele ego dele pertencia de fato.

Interessante dessa parte final da série é que nós conseguimos ver o quão bem escrito e encaminhado o roteiro da série foi DESDE O PRINCÍPIO. Tudo lá tinha uma ligação. Todas as dimensões eram interligadas e tudo foi demais.

FIM DOS SPOILERS, PODEM LER SEM MEDO DE SEREM FELIZES.

São nesses episódios finais onde Watashi começa a ruminar sobre suas escolhas e as consequências das mesmas. É lá que ele reflete sobre todo o arrependimento sentido por ele que nós observamos ao longo de tantos episódios. E é com essa reflexão que ele alcança uma resposta sobre tudo e todos seus problemas são resolvidos a partir disso. São demais esses últimos episódios.

Opinião pessoal

Falando seriamente, pedi para o Ketsura arranjar outra pessoa para fazer essa review caso eu não conseguisse assistir aquilo mesmo. Depois de levar quase trinta e cinco minutos para assistir um fucking episódio de anime minha vontade de ver isso havia ido por água abaixo. Mas ainda bem que não droppei.

            Tatami Galaxy se mostrou um anime incrivelmente relaxante. Depois de me acostumar com a quantidade imensurável de informação que o Watashi passava nos malditos monólogos em fast forward dele, comecei a sentir muito prazer em assistir aquilo. A animação simplista e os personagens idem, as cores, a trilha sonora decente… Tudo, tudo naquele anime é gostoso de ver.

Não importa se tem gente que droppou o anime por ser fora do padrão, por causa das falas do Watashi. Não ligo para nada disso. Assisti aos últimos episódios com um sorriso que ia de orelha a orelha de tão bons que foram. Você não se divertiu? Eu me diverti.

E é isso que importa.

Beeeem, galera é isso. Essa foi a participação do Another Warehouse na Corrente de Reviews, evento idealizado pelo Didcart lá do blog Anikenkai e que conta com a participação de vários blogs da “blogosfera otaku” (parece que serão mais de trinta!). Me senti honrado que o Ketsura me deixou escrever a resenha de Tatami Galaxy e assim participar do evento. Foi da hora. Agora falarei o próximo blog e qual será nossa indicação. Quem fará a próxima review será o blog do Graveheart contando-nos um pouco sobre Ookami Kakushi. Até a próxima e não deixem de comentar!

Sobre gabiruu

15 anos. Nerd assumido. Adoro ler. Amante de animes de Drama e de Esporte. Pratico Karatê e corro nas férias. Pretendo ser um webdesigner no futuro.

5 comentários em “Corrente de Reviews – The Tatami Galaxy

  1. Tatami galaxy é um anime para pouco, não por ter um publico especifico, mas por ser desafiante assistir, muitos desistem no caminho como eu quase desisti. Quando me recomendaram ele, eu vi o preimrio episodio ja achei a arte meio estranha, mas como a pessoa que me rrecomendou entende muito de anime, resolvi continuar a assitir (a musica de encerremento é muito boa), mas a barreira de ver um anime naquela velocidade foi muito grande, nos primeiros episodios cheguei a reproduzir o anime em 0.7x , não é recomendado mas preferi fazer isso do que droppar, depois peguei um pouco mais o ritmo, mas mesmo assim ainda tinha que pausar pra ler algumas falas.
    Sendo sincero eu só continuei a ver pq a pessoa que me recomendou conhece bastante, pq são muitas barreiras, e mais uma que não falei é que os primeiros episodios são todos meio iguais, só muda nos dois ultimos o outros são bem iguais, então eu estava bem cansado de ficar vendo esse anime, tanto que demorei umas dias semanas pra ver 11 episodios, mas quando vi o final…não tenho nem palavras pra descrever a emoção que senti, valeu apena todo aquele esforço feito antes.

    • Realmente, assistir Tatami Galaxy na velocidade é uma quest para poucos. Só fui me acostumar para lá do episódio 06. E olhe lá. Só comecei a sacar a estória mais pra frente e quando chegou naqueles episódios finais e teve toda aquela coisa… Putz, me senti feliz por ter continuado a ver. Idem nos seus sentimentos. Valeu por ler e comentar.

  2. Tatami Galaxy é como um mangá do Inio Asano, só que com comédia em vez do drama: relata os sofrimentos e inseguranças que jovens adultos passam. E as cenas da velha vidente são muito engraçadas.

    • De fato, as cenas da videntes eram hilárias. Chegou uma hora que eu pensei: “putz, vai ficar nisso aí todo episódio?”. E logo no episódio seguinte eles mudaram o padrão e ficou mais hilário ainda. xD

  3. Não sou otaku, sou um admirador de animação em geral. No universo dos animes tem uns poucos caras que eu curto (Satoshi Kon, Miyazaki, alguns outros). De modo geral não curto animação japonesa, algumas poucas coisas me atraem, e geralmente são umas coisas mais esquisitas e autorais. O cara que fez Tatami Galaxy, no entanto, Masaaki Yuasa, é um gênio! Sério, quem não conhece o trabalho dele faz o favor de ir atrás, vocês não vão se arrepender. Assistam Kaiba, assistam Mind Game. Procurem o curta Cat Soup no youtube. Procurem tudo!!

Faça um comentário, é de graça

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: