6 Comentários

Postagem de mil palavras que vale mais pelas imagens do que pelo texto que tenta fazer uma analise sobre a putaria e moe em animes, e assim descobrir aonde afinal mora o problema do fanservice

Eu poderia responder a pergunta aqui mesmo, mas desenvolver o texto é mais importante, vamos ver aonde isso vai dar?

Fanservice (Serviço para Fãs se fossem traduzir pro PT) são termos, de definição de certo modo vaga, utilizados nas mídias visuais, particularmente por fãs de mangá e anime, referindo-se a elementos supérfulos à história principal, mas incluídos para divertir, entreter ou atrair a audiência. Muitas vezes incluem situações de forte conotação sexual ou erótica (ecchi).

Mas claro que Fanservice não se resume a isso, Fanservice é um conjunto de elementos que são colocados em uma obra para agradar determinado público, então sim, não apenas peitos voando pela tela é considerado Fanservice.

Enxergar aonde está o problema disso é que é o maior problema, é bastante complicado entender realmente aonde mora o problema aqui, apesar de muitas obras deixarem bem claro aonde o Fanservice é o problema, mas nem sempre é assim.

Existem histórias e histórias, mas existem aquelas que se deixam dominar pelo elemento que sobrepõe a história, esse é o caso de muitos animes que são desperdiçados a troco de peitos na tela.

Nesses animes a maior importância é dar o enfoque as calcinhas e os peitos, o que acaba deixando a história em um ritmo muito lento, já que no momento que você dá foco a uma determinada coisa, esta coisa pode sobrejulgar a obra.

Para quem me conhece a mais tempo sabe que existem 2 obras de putaria em si que eu critico muito por terem feito merda no caminho e terminou um lixo, elas são Oretachi ni Tsubasa wa Nai e Hidan no Aria.

O que acontece em ambos é simplesmente um resultado bastante tenebroso, Oretachi tinha tudo para ser um agradável romance com pintadas fantasiosas que são mostradas ao longo do anime, mas não é bem assim, Oretachi é na boa parte de seus episódios um aglomerado de putarias aleatórias.

Mas como assim um aglomerado de putarias aleatórias? É apenas que é random, o anime falha em ser um bom fanservice aos fãs e quando decide ter uma história consegue… continuar falhando, triste e chateado com o resultado do anime, eu nunca vou esquecer ele, não por ser bom, mas sim por ser ruim demais.

O caso de Hidan no Aria é um pouco diferente, apesar de meio parecido com os problemas apontados em Oretachi, o caso é realmente diferente. Hidan no Aria (não confuda com o meu amado Aria!) tem sim uma história bem interessante, mas sua falha esteve no foco no fanservice, a história corre, mas tu não consegue gostar da principal, já que a mesma consegue ter uma chatura a níveis acima de 8k, talvez a tsundere mais irritante que eu já vi.

Nisso o anime se perde, já que se gasta bastante tempo numa personagem chata e assim faz com que o anime se perca, e mesmo quando a coisa anda, não tem impacto, você continua não gostando e até chegar num final ruim e sem graça, temos que bater palmas pra J.C. Staff aqui, só perdem pro Xebec e o DLE em animes dispensáveis, resultado disso foi fracas vendas e o anime (graças a Madoka, ela nos ama!) nunca vai ganhar uma segunda temporada (bem que poderia acontecer o mesmo a Milky Holmes, chateado).

Mas se nesses falhou em Sora no Otoshimono e Kiss X Sis não falhou, a putaria é sim muito presente na história (o segundo é putaria mesmo, maaaaaas), mas é bem feito e diverte.

Sora no Otoshimono terminou me rendendo altas risadas com suas situações fora do comum e ainda sim consegue desenvolver uma história minimente interessante, prova disso é o sucesso estrondoso que o anime está fazendo, já que conta já com 2 temporadas, 1 OVA, 1 filme e ainda 1 nova temporada pra estrear em breve!

Mas mudando o foco um pouco, até agora só falei dos animes das tetas tetudas, mas cadê as nossas meninas moes que tanto amamos, afinal isso também pode se encaixar como fanservice (imagine que você é um japonês anti-social, nunca teve contato com as moezinhas reais e nunca terá por falta de dinheiro e preconceito, e você gosta de ver o dia-a-dia das meninas, por que não chamar isso de fanservice?).

Assim como nas putarias, o mesmo acontecesse com nossas meninas, tem alguns abaixo da média claro, mas a maioria é no mesmo nível, dois que “falharam” (um falhou mesmo, dsclp) é K-ON! e Hanasaku Iroha.

Eu não odeio K-ON!, é só que… É UM ANIME MUSICAL! E bem eu tive que ligar pro PROCON, por que tava faltando as insert songs, afinal o básico de um anime de música e ter várias inserts songs, afinal… é um anime de música oras! Cadê minhas inserts songs a cada 2 episódios Kyoto?!

O caso mais grave mesmo está em Hanasaku Iroha, acho que foi uma das maiores quedas de notas que eu já tive, Iroha no ínicio tem tudo para ser um excelente drama sem deixar de ser Slice of Life, mas ai começa os fanservices e os furos de roteio excessivos e o anime se torna dispensável.

Haters gonna hate, mas não levo a sério um anime que compara arrumadeiras a… cachorros, é de matar qualquer papai um anime desses.

Mas claro, tem os que funcionam bem e cumprem o papel sem problemas, como Ichigo Mashimaro, Kimi to Boku, Aria, iDOLM@STER e Minami-ke.

Todos sabem bem o que querem: mostrar o cotidiano, não cometem os erros simples que muitos comentem e desenvolvem bem seus personagens e faz com que você goste tanto da série a ponto de rir, chorar e se apaixonar junto de seus personagens.

Talvez depois de tanto escrever nisso aqui eu tenha encontrado o problema (ou não) da coisa: Está no exagero do fator e fazer com que ele sobrepuja a verdadeira história de qualquer obra.

O que é realmente uma pena, o fator fanservice é algo realmente legal, ele serve como um ótimo incremento e alívio da história, mas quando é mal usado, acontece o que foi dito mais acima.

Encerro isso aqui dizendo: “Por um mundo que tenha fanservices melhores, do jeito que tá, tá foda, tá matando as historinhas, cadê maior desenvolvimento nos peões de xadrez?”

6 comentários em “Postagem de mil palavras que vale mais pelas imagens do que pelo texto que tenta fazer uma analise sobre a putaria e moe em animes, e assim descobrir aonde afinal mora o problema do fanservice

  1. Realmente, eles exageram na Fanservice, tirando todo o brilho do anime/mangá, quando eles poderiam trabalhar na série e evoluir o personagem que, à primeira vista, parecem que só serve pras cenas ecchi.
    Anda mesmo difícil hoje em dia achar uma série boa que tenha ecchi e uma história decente…

  2. Farei uma opinião discordante do autor, mas, quanto a tal da coisa aí, discordo de que Kiss X Sis tenha sido divertido, foi uma das coisas mais chatas que vi (isso porque ultimamente ando sendo até um tanto tolerante c/ relação a qualidade atual dos animes). Aliás, você até pode odiar o (ou seria “a”?) J.C. Staff, mas temos de lembrar que fizeram bons animes (gostos a parte, afinal cada 1 tem o seu, queira discordar ou não) como Azumanga Daiou (é o slice-of-life moe mais clássico e que foi talvez quem fez explodir esse estilo), Hachimitsu to Clover (apesar de eu não ter gostado deste, é muito elogiado, e tem seus méritos), Nodame Cantabile (apesar de todas as falhas, especialmente na animação, manteve o suposto brilho do manga, especialmente na primeira parte), Toradora! e Bakuman (que, apesar dos altos e baixos, na média, tem mais acertos que erros e uma segunda temporada melhor que a primeira). E, eu também não descartaria o Kaichou wa Maid-sama! (bom shoujo, mesmo perdendo o ritmo mais pro final, algo comum no gênero), R.O.D: The TV (pior que OVA, mas bem razoável pra média dos animes e relativamente acima de muita coisa feita atualmente), Shigofumi (bem elogiado, mas não vi ainda, o que pode significar uma surpresa em ambos os sentidos), Taishou Yakyuu Musume (talvez o anime de baseball mas fofo ever), Mahoraba: Heartful Days (bastante simpático, mas nada demais), Kareshi Kanojo no Jijou (que é do mesmo diretor de Eva, embora isso não signifique qualidade, e eu também não vi, deve servir pelo menos como “curiosidade”), Aoi Hana (que é o tipo de anime do qual eu gosto muito, mas que muitos nao gostam por conta do tema), Hatsukoi Limited (quem odeia o manga, deve odiar o anime, quem achou mais ou menos o manga talvez tenha achado bom, especialmente na parte do fanservice em si) e KimiKiss Pure Rouge (que ficou bem diferente do jogo original, mas bem interessante no resultado).

    • Bom, dos que você citou, muito nem vi ainda, dos que vi, discordo de Kaichou, acho muito chato, mas menos que o mangá, mas ainda sim, chatissimo. Mas de qualquer forma, tu citou muitos romances na lista, que é claramente o melhor ponto deles. Mas de qualquer forma novamente, ter alguns animes bons não salvam a merda que eles já fizeram, e que bem não são poucas (Shana que tem problema grave na direção do anime, ZnT que só fica pior a cada temporada que passa, Kamisama no Memochou que é extremamente mediano, Kill me Baby que era facílimo de fazer ficar bom, mas conseguiram a proeza de ficar pra lá de mediano e muitas vezes chato, entre outros).

  3. Ter alguns animes bons salvam sim, tem estúdios que o melhor que conseguem são animes medianos ou, no máximo algo nota “7”, talvez “8”. Mesmo estúdios de renome como a Shaft (que fez Madoka) faz senhoras bobagens como o Dance in the Vampire Bund (outro que foi bem tenso de ver até o final e nem preciso dizer que os leitores do manga ficaram muito decepcionados com o anime – não li o manga, mas pelo que achei do anime, provavelmente os leitores devem ter razão, sendo ou não algo do gênero que tenho ou não mais afinidade), então estragar uma adaptação é um tanto comum (sempre dizem que o manga é melhor, ou então o jogo, ou então o livro, é o mesmo caso). E mesmo se fosse para comparar com outros estúdios, a porcentagem de bom/médio/ruim provavelmente não é muito diferente da maioria (e isso inclui também as bobagens que todos os estúdios e produtores fazem).
    Quanto a alguns animes que você citou como “erros”, Shana desde o começo não pareceu ser algo potencialmente interessante, então até foi algo dentro do esperado (não dá p/ ter muita certeza de que os produtores realmente estragaram), idem com ZnT, embora neste até tive boas gargalhadas, mas concordo que piorou muito especialmente nas 2 últimas temporadas (a segunda temporada eu ri demais – mas também é outro caso de que o roteiro original pareceu piorar também), Kamisama no Memochou idem, já KmB eu discordo, é muito mais complicado fazer uma comédia ficar boa, ainda mais nesse estilo, que anda um tanto quanto repetido ultimamente (e, no 4-koma pode até ser fácil achar as risadas, mas em anime a coisa realmente complica, muitas vezes acaba mesmo ficando chato, independente de quem for o produtor).

  4. Em Strike Witches, tem algum motivo (além do fan service) para as garotas não usarem saia ou calça e ficarem o tempo todo com a calcinha a mostra?

Faça um comentário, é de graça

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: