3 Comentários

Vem aí, o dia dos sonhos e amizade, vem ai o #ClampDay

Sim pessoal, finalmente vai sair, e sim sabemos que o dia do Clamp Day foi ontem, mas por problemas maiores só vai sair agora. Vem ai o Clamp Day.

Seguiremos a mesma fórmula vista no Tezuka Day no ano passado, cada um escolherá a obra que quiser ou tema relacionado a nossas velinhas (pode-se conferir a listagem de quem já pegou quem aqui (e o nosso blog só cede Kobato se nos enviarem as 6 edições americanas! sumermo)).

E ai, vai ficar de fora? Dia 21 de Maio de 2012, das 00:00 até as 23:59 um dia inteiro dedicado ao grupo que nos rendeu tantos ótimos mangás e animes ótimos. Para participar é fácil:

-Vá até seu Twitter

-Mande uma mention a essa pessoa aqui com seu blog e obra/tema escolhido

Pronto! Você já está participando do nosso dia dedicado a Clamp, espero a participação de todos e fiquem com um texto sobre a Clamp feito pelo sr. Syaoran-sama, que se você não conhece ou não quer participar, vai querer depois de ler:

O CLAMP é um famoso grupo de mangakás que encantou (e ainda encanta) a infância de várias pessoas que assistem animes e lêem mangás. O grupo possui em sua lista uma imensidão de títulos de sucesso no mundo todo, desde “Guerreiras Mágicas de Rayearth” e “Cardcaptor Sakura” até os seus famosos mais recentes como “Tsubasa -RESERVoir CHRoNiCLE-“, “xxxHOLiC” e “Kobato.”. O grupo também fez colaborações com character design (e até roteiro original) para “Blood-C”, “Code Geass” e “Mouryou no Hako”.

Esse amado grupo de mangakás começou a se formar como um grupo de doujinkas (artistas que fazem doujinshis, que geralmente são paródias de obras famosas) no meio dos anos oitenta. O nome deste grupo era CLAMP Cluster e era composto de 11 membros: Tamayo Akiyama, Sei Nanao, O-Kyon, Leeza Sei, Soushi Hishika, Shinya Oumi, Kazue Nakamori e, finalmente, as quatro que estão no CLAMP até hoje: Nanase Ohkawa, Mokona Apapa, Mick Nekoi e Satsuki Igarashi. Entre as quatro que compuseram o grupo final, Mokona, Satsuki e Nekoi começaram a desenhar no colegial inspiradas em seus amigos. Nisso, elas conheceram Ohkawa por meio de uma amiga dela, que comprou um dos doujins da Mokona e tornou-se sua amiga.

Nos trabalhos iniciais do grupo, que se reunia em Osaka e Kobe geralmente de mês em mês, encontram-se diversos doujinshis de shounens como “Captain Tsubasa”, “Sonic The Hedgehog” e “Jojo Bizarre Adventure” (um dos mangás favoritos do grupo até hoje), tendo até mesmo feito alguns mangás yaoi de uma série nada famosa por estas bandas: “Cavaleiros do Zodíaco (Saint Seiya)”. Muito desses trabalhos eram colocados na sua revista doujinshi “Shoten”, que se centrava em em fazer humor e continha a versão embrionária de personagens de futuras obras do CLAMP como “RG Veda” e “CLAMP Gakuen Tanteidan (CLAMP Campus Detectives)”.

Em 1987 houve a primeira reviravolta no destino do grupo: usando a alcunha “CLAMP”, o grupo de 11 doujinkas decidiu começar a publicar um trabalho original chamado de “RG Veda” (o primeiro contando com o grupo todo – o primeiro de facto foi o mangá “Derayd”, desenhado pela Tamayo Akiyama e roteirizado pela Nanase Ohkawa, embora esta não tenha sido creditada na publicação do mangá), que foi aceito pela editora Shinshokan, tendo sua publicação iniciada em 1989. O grupo se mudou para Tóquio, alugando um pequeno apartamento de dois quartos. Na estreia de RG Veda na revista Wings, o número de pessoas no grupo diminuiu para sete. Ao longo da publicação de RG Veda, O-kyon deixou o grupo, seguido por Sei Nanao (Junho de 1990, sendo sua última menção na Shoten 6/90), Soushi Hishika, Shinya Oumi e Kazue Nakamori (em março de 1993, como mencionado em Shoten 3/93). No final, haviam restado somente as quatro integrantes atuais: Mokona Apapa, Mick Nekoi, Satsuki Igarashi e Nanase Ohkawa.

Enquanto RG Veda era publicado, CLAMP iniciou (e, em alguns casos, finalizou) outras obras em paralelo: 20mensou ni Onegai (ou Man of Many Faces – Genki Comics, 1989), Gakuen Tokkei Duklyon (ou CLAMP School Defenders – Revista Genki Comics, 1991), Tokyo Babylon (Revista Wings, 1990), Clamp Gakuen Tanteidan (ou CLAMP School Detectives – Revista Monthly Asuka, 1990) e Shirahime Syo (ou Snow Goddess Tales – Editora Kobunsha, 1992). Nesse interím também foi publicado X/1999 (Revista Monthly Asuka, 1992), o mangá mais polêmico e violento do CLAMP que fala sobre o fim do mundo, contando com uma adaptação em filme de cinema e, um tempo depois, para série de TV.

Após a saída de 7 dos 11 membros, o CLAMP fez Miyuki-chan in Wonderland (Revista Newtype, 1993) em março e iniciou em novembro um dos seus clássicos mais conhecidos: Mahou Kishi Rayearth (ou Magic Knight Rayearth – Revista Nakayoshi, 1993). Após MKR, veio Watashi no Suki na Hito (ou The One I Love – Editora Kadokawa Shoten, 1995). Entretanto, foi em maio de 1996 que CLAMP começou a publicação daquele que viria ser o seu mais retumbante sucesso: Cardcaptor Sakura (Revista Nakayoshi, 1996). Esse trabalho é um dos shoujos mais famosos de todos os tempos, tornando a existência do CLAMP conhecida para o mundo inteiro. Dois anos após o início da sua publicação ganhou uma série animada que teve uma das participações mais diretas do CLAMP em sua produção junto com o estúdio MADHOUSE: Ohkawa dirigia os scripts dos episódios enquanto Mokona coordenava as roupas dos personagens e o design das cartas Clow, incluindo as cartas exclusivas do anime. Enquanto faziam Cardcaptor Sakura, o CLAMP também fez Clover (Revista Amie, 1997), Suki. Dakara Suki (Revista Asuka Comic DX, 1998) e seu primeiro trabalho a ser publicado numa revista para meninos – diferente dos seus trabalhos anteriores: Angelic Layer (Revista Monthly Shonen Ace, 1999). Após isso, iniciaram o seu último projeto no século XX: Gohou Drug (ou Legal/Lawful Drug – Revista Monthly Asuka, 2000).

A partir de 2001, o CLAMP começou uma nova etapa. Começaram a lançar Chobits (Revista Young Magazine, 2001), um trabalho que fugia muito da sua proposta costumeira de “fazer mangás para meninas”, atingindo um público até então pouco explorado pelo grupo: o de homens adolescentes e adultos. Dois anos depois, o CLAMP começava a tramar duas das suas histórias de sucesso mais recentes (e contando com um de seus recursos favoritos, os crossovers): xxxHOLiC (Revista Young Magazine/Bessatsu Shounen Magazine, 2003) e Tsubasa -RESERVoir CHRoNiCLE- (Revista Shonen Magazine, 2003). As história de xxxHOLiC e Tsubasa -RESERVoir CHRoNiCLE- se completam e se complementam, fazendo com que os crossovers não sejam uma participação especial vazia e aleatória só para promover essas séries. Dois anos depois, viria o mangá Kobato. (Revista Monthly Sunday Gene-X/Newtype, 2005) e, no ano seguinte, seria anunciada a participação do CLAMP no projeto de anime Code Geass: Hangyaku no Lelouch – participando do character design. Em 2008, chegou a vez do anime Mouryou no Hako, adaptação animada de uma famosa novel sobrenatural de autoria de Natsuhiko Kyougoku publicada originalmente em 1995.

Em 2004, no seu aniversário de 15 anos, todos os membros do CLAMP trocaram seus nomes: Mick Nekoi mudou para Tsubaki Nekoi porque ela não gostava das comparações do seu nome com o de Mick Jagger e Mokona Apapa virou só Mokona porque o sobrenome artístico dela não soava adulto o bastante para o seu gosto. Acompanhando as outras duas, Satsuki Igarashi mudou apenas os kanjis do seu nome (a leitura permanecendo a mesma: Satsuki Igarashi) e Nanase Ohkawa mudou seu nome para Ageha Ohkawa – esta última mudando o seu nome de volta para Nanase Ohkawa em 1° de março de 2008.

Em 2010, após o fim de Tsubasa -RESERVoir CHRoNiCLE- e o fim de xxxHOLiC e Kobato. se aproximando, CLAMP lança um projeto ousado numa editora que jamais tinham trabalhado antes: a Shueisha. O projeto “Mangettes” firmado entre CLAMP, Shueisha e DarkHorse firmava uma publicação simultânea no Japão e nos EUA e com obras de cerca de 80~90 páginas por volume. O projeto de formato foi reformulado para um volume de mangá normal publicado no Japão e em poucos meses depois sendo traduzido e publicado em terras norte-americanas. Daí surgiu Gate7 (Revista JUMP SQ, 2010/2011).

Em 2011, o CLAMP promoveu o grandioso CLAMP FESTIVAL 2011 TOKYO contando com a apresentação de diversos seiyuus que atuaram em adaptações em anime das suas obras ao longo dos anos. Além disso, elas retornaram a publicação de Gohou Drug sob um novo nome e revista: Drug & Drop (Revista Young ACE, 2011), anunciaram uma peça de teatro (e possível adaptação em mangá) com o cantor GACKT chamada MOON SAGA e confirmou a sua participação como character design da continuação da saga de Code Geass: Boukoku no Akito. Além disso, produziram uma série exclusiva em anime: Blood-C, da franquia BLOOD THE LAST VAMPIRE, junto com a Production I.G., se encarregando do character design e do script dos episódios.

Estilo de trabalho e arte

O esquema de trabalho do CLAMP consiste num espaço de trabalho que as quatro compartilham umas com as outras, o que faz com que não precisem marcar reuniões com tanta frequência por estarem sempre juntas.

Nanase Ohkawa é a líder e porta-voz do CLAMP, além de fazer os storyboards das histórias. Mokona é a chefe de desenho enquanto Satsuki Igarashi e Tsubaki Nekoi trabalhando nos fundos – sendo que as três algumas vezes trocam seus papeis entre si para se manterem o mais próximo possível do que a Ohkawa predefine. Satsuki Igarashi realiza o cronograma de cada integrante do grupo, dizendo em qual ordem elas vão executar cada um de seus projetos. Elas não têm assistentes porque dizem que isso deixaria o seu tempo de trabalho mais lento.

Na concepção de cada história, o grupo de reúne para discutir a proposta da história e os personagens e, após amadurecer tal idéia, Ohkawa predefine o final de cada uma das histórias e desenvolvimento de personagens principais e scundários – e até quais crossovers aparecerão nas histórias e quando. Após definir tudo, fazer um piloto e este ser aprovado por uma editora, Ohkawa distribuí os papeis entre os outros membros e escolhe um estilo visual da história dependendo de diversos fatores: o estilo de arte definido, a complexidade da história e até a relação da história em questão com outras histórias já feitas pelo grupo. Para cada capítulo, Ohkawa faz um rascunho de personagens, suas posições, detalhes e diálogos . Nesse esquema de trabalho, um capítulo de cerca de 20 páginas pode levar de 2 a 5 dias para ser desenhado dependendo do estilo de arte empregado enquanto são gastas cerca de 12 horas para fazer o storyboard e 8 horas para fazer o script.

3 comentários em “Vem aí, o dia dos sonhos e amizade, vem ai o #ClampDay

  1. Penso em ficar com X/1999, mas não tenho certeza ainda se participarei…

  2. Hm.. Eu gostaria de pegar As Guerreiras Mágicas.. Marcou muito minha infância e foi o primeiro mangá que eu comprei🙂 Também não posso confirmar se participo, ainda tenho que falar com a dona do ON :S

  3. Hm.. Eu gostaria de ficar com As Guerreiras Mágicas.. Marcou muito minha infância e foi o primeiro mangá que eu comprei🙂 Também não posso confirmar se participo, ainda tenho que falar com a dona do ON :S

Faça um comentário, é de graça

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: