6 Comentários

Um motivo de (talvez) eu não ter desistido de Bleach

Bleach, o anime que é mais mamilos polêmicos que os próprios mamilos.

Bleach é uma série de mangá e anime criada por Tite Kubo. Lançada no Japão, tem como protagonista Ichigo Kurosaki, um estudante de 15 anos, que após uma série de incidentes ele acaba se tornando um Shinigami, que são responsáveis pelo fluxo de almas do mundo real até a Soul Society, assim como combater os espíritos malígnos, Hollows. Porém, conforme ele começa a se envolver com o mundo espiritual, ele acaba no meio de uma trama que ameaça a existência de ambos os mundos. O anime alcançou os 361 episódios e ainda está em exibição. Quanto ao mangá, já foram lançados 482 capítulos e mais algumas histórias extras.

Bleach virou sinônimo de polêmica, quem gosta é mais noob que a Yasuna e quem não gosta é Hardcore.

Vamos falar de Bleach desde o início, é um mangá com um caracter design bem legal, mas com sua história que tentou ser mais do que era e seu péssimo elenco acabou transformando tudo que tentou construir em mero lixo.

Essa é a saga de Bleach, o anime rendeu 366 episódios, sendo que quase metade deles de puro filler. Pena que naquela época não existia split-cour né? Porque talvez Bleach fosse melhor nessa forma.

Nunca li muito do mangá, no máximo que li foi um volume que meu amigo tinha e eu estava morrendo de tédio. Foi a leitura mais rápida da minha vida.

Normalmente, eu levo algo em torno de 50 minutos por volume (claro que eu falo de mangás normais, afinal, nunca contei quanto tempo levo pra ler Bakuman, mas creio que seja cerca de 1 hora), em Bleach e seus fundos brancos, golpes de página dupla, e meia dúzia de frases, levaram apenas 30 minutos, claro que ruim não foi, mas um mangá que já foi da tríade da Jump (atualmente Naruto, One Piece e Toriko) pode-se considerar uma vergonha, afinal, mesmo sendo um mangá feito pra ter história nenhuma desde o início (afinal, eu vejo Bleach até hoje como uma história de lutas, nunca esperei história nenhuma), mas mesmo que tivesse depois, é uma vergonha que seja tão rápido.

Se um mangá como Air Gear que é pura diversão consegue me manter por 1 hora lendo, porque Bleach não me mantem? A culpa dessa vez nem é do Departamento Editorial da Weekly Shounen Jump (sim, porque falar apenas Jump é um erro, visto que tem muitas outras revistas da linha Jump com outros departamentos editoriais), mas sim do próprio Tite Kubo, além de apenas desenhar os personagens e o chão (afinal, se ele fizesse nem isso, daria a impressão de que os personagens estão voando mesmo quando estão no chão) não tem fundos, o que é muito desagradável, aliás, acho que é esse o principal motivo de eu nunca ter pensado em ler o mangá (apesar de que lerei a saga final, já que depender do anime, meh), isso é algo que incomoda bastante, afinal, ler um mangá do Inio Asano com um fundo lindíssimo e ver um Bleach com um fundo todo branco e ainda lotado de enrolação é meio complicado.

Mas tá, paremos de falar de Bleach Mangá, afinal, nunca li de verdade, querem saber quem lê de verdade? Conheçam a dona AnneBione, ela lê aquilo a tanto que, nem sei como ela não dropou. Falemos do anime.

Ah o anime, às vezes tenho vergonha de dizer que algum dia já gostei daquilo. Devo acompanhar a animação de Bleach faz um belo tempo, acho que desde cerca do início de 2010. 2 anos, muitos fillers, muitas vezes com o anime parado no On-Hold por fillers, essa é a minha história com Bleach.

Não sei exatamente porque nunca dropei Bleach, durante um tempo eu considerei um “OVA”, já que eu assistia a 1 episódio, parava e depois de algum tempo, bem como um OVA. Mas nunca dropei de verdade, dos fillers, pulei a maioria, perdas de tempo totais. Sem valer muito a pena, vi apenas os episódios baseados nos mangás, e eu sempre digo, não se pode xingar a Pierrot pelo anime de Bleach.

O estúdio fez um ótimo trabalho, fez bons fundos de um mangá que não tem originalmente, e melhorando muitas de suas sagas, com uma adaptação de sempre cerca de no mínimo uns 3 capítulos por episódio, uma das sagas mais criticadas de Bleach, a saga dos Fullbrings, no anime não ficou ruim, ficou até que bem legal, não apenas pelo seu ritmo mais rápido, mas pelo bom trabalho de diretor, provando que um bom estúdio, com uma boa staff, pode-se fazer milagres, aconteceu com Bleach e aconteceu com Ga-Rei.

Pra encerrar isso aqui, não sei se recomendo ou não ver Bleach, é um anime cheio de altos e baixos, talvez se você queira ver um anime dos mais longos já encerrados e puder aumentar um pouco o número de episódios de sua MAL, talvez eu recomende, mas não sei, deixo com você a decisão de ver ou não. Apenas se for ver, veja apenas as sagas baseadas no mangá, fillers de Bleach são Sides/Paralel da história que já não é muito boa, já imaginou o como é ruim né?

6 comentários em “Um motivo de (talvez) eu não ter desistido de Bleach

  1. Na boa historias shounen boas são difíceis de se encontrar Bleach eu nem passei por perto uma que a historia me parecia uma copia fiel de Yu Yu Hakusho ( e esse anime é extremamente bom nem pode ser comparado com seu clone ). Outra que o traço é fraco… muito fraco, outra que hoje em dia animes shounen seguem perfeitamente a linha “Dragon Ball”. (Dragon Ball é bom nada contra ate a saga do Freeza depois dela a serie virou uma !@#$).

    Ou seja: Porradaria de 10 minutos,conversa aleia sobre os poderes de cada personagem 8 minutos, personagens se encarando e pensando na estrategia de como acabar com outro 12 minutos, mais porradaria de 3 minutos fim do anime. A sim e sem falar das nuvens de poera que ficam escondendo o personagem golpeado por uns 4 minutos.

    Não entenderam ? É só prestar mais atenção aos Shounen o/ e ai vocês vão entender.

  2. Ai, ai, ai… Um dos únicos shounens que fazem pensar na merda da Jump e ninguém gosta. A ‘falta’ de um enredo complexo e cheio de tramas e proposital, não sabiam? Kubo confirmou recentemente que o objetivo do mangá é inserir metáforas representadas pelos combates ou pelos próprios personagens, em diferentes níveis de dificuldade, para que os fãs quebrem a cabeça para descobri-los. É isso que os verdadeiros fãs da série fazem – e compartilham com outros fãs. É maravilhoso descobrir por si mesmo o simbolismo por trás de cada elemento que Kubo cria (e, felizmente, ele eliminou o cenário, descartável, para facilitar a compreensão dos personagens, realmente importantes), ou ainda, ler sobre o que outras pessoas descobriram, suas próprias interpretações sobre tal elemento representativo. Pena que a maioria das pessoas não sabe apreciar isso (ou pior, nem ao menos descobriu).

  3. Bleach é, de longe, a melhor história da Jump. Tite Kubo cria sua história com base em metáforas, já comprovada por entrevista. Infelizmente – ou não – poucas pessoas conseguem enxergar o que tem por trás da história, como a morte do Tousen, a luta do Mayuri x Szayel, o Ulquiorra (um personagem que pode ser considerado obra-prima, não pelo que é, mas pelo que o autor inseriu nele), entre outros. Fico triste em saber que cada vez mais os fãs de animes, otakus, estejam se tornando cada vez mais bobos, procurando histórias superficiais (como One Piece, Elfen Lied, Mirai Nikki) e se desviando de obras bem criadas. Tite Kubo ainda descarta os cenários por preferir usar uma arte de desenho chamada minimalismo, que é desenhar o mínimo possível e deixar tudo agradável, juntando ao fato de que desenhando assim poderá focar nos seus personagens, para podermos analisar o que ele quer transmitir. Para as pessoas que não leem ou não gostam: deem uma chance, vão encontrar ali coisas que jamais pensariam em encontrar.

  4. Só vi o anime e tenho de admitir que gostei muito do que vi: como foi dito, a versão anime é bastante boa e se compararmos com o “Naruto Shippuuden”, o tratamento do “Bleach” foi muito superior. Na verdade, gosto tanto das partes pegas do mangá quanto aos fillers – apesar da maioria simplesmente ignorar, é uma boa oportunidade de ver os personagens em momentos cômicos ou certos personagens ganharem um pouco mais de destaque – o que engrandece como animação.
    Fora que esqueceu um detalhe importante da animação e que a maioria cita quando se fala de “Bleach”: os temas de abertura e os temas de encerramento. E neste quesito, o anime ganha de muitos animes shounens que conhecemos, pois houve, na minha opinião, um tratamento digno de nota, tanto nos clipes quanto na escolha dos cantores e bandas.
    É isso!

  5. Oque eu li ? Um cara que só sabe falar mau da obra dizendo que ela é ruim Etc… Eu n preciso nem discutir com vc basta ver seus argumentos que eu ja percebi que vc é um dos Haters que provavelmente é fãn boy de Naruto

  6. Na boa, pode até existir metaforas em todos os personagens.. geralmente todos os animes são assim (como Naruto..etc), o problema é que quase tudo nele é muito “manjado”, me dá vontade de rir sempre que um “fodão”(geralmente o Ichigo) aparecedo nada e salva alguém…isso é muito tosco e tira toda a emoção, claramente um escape, sem contar que é um insulto a nossa inteligência. A única coisa que me instigou a ler são os personagens em si..principalmente o Ichigo, Rukia e Renji(muito pouco explorado msm..)(mas a Inoue eu não consigo engolir..

Faça um comentário, é de graça

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: